Ads (728x90)


Se você deseja conquistar um emprego público e com isso ter a tão cobiçada estabilidade e poder fugir do fantasma do desemprego, já sabe que a principal barreira que lhe separa do seu sonho são as provas de concurso.

Sabendo dessa dificuldade, muitas pessoas procuram por um caminho mais ameno, querem saber quais são os concursos mais fáceis de entrar. Eu mesmo já procurei muito por isso e me deparei com uma série de informações errôneas e falsas.

Por conta disso a uns quatro anos atrás enviei um artigo a um portal de notícias, na época o artigo fez muito sucesso e por conta disso vou republicá-lo aqui.

Leia também:
pessoas em trajes sociais preparadas para uma corrida de 100 metros razos



Mito 1: concursos fáceis são os que não possuem matemática

       Já li em jornais, revistas e sites “especialistas” orientando os candidatos a procurarem concursos que não possuem questões sobre matemática pois estas provas seriam mais fáceis.

Responder uma questão de informática sem ter um computador na sua frente pode ser tão complexo quanto álgebra booleana.

E quem acredita que português é algo fácil não deve ter se deparado com perguntas envolvendo orações subordinadas. Isso para não falar de conhecimentos específicos baseados em teóricos desconhecidos e questões sobre jurisprudência que são o pesadelo de quem deseja um cargo (qualquer nível) do judiciário.


Mito 2: provas de nível médio e fundamental são mais fáceis do que as de nível superior
O objetivo de uma seleção pública (ou concurso se preferir) é selecionar o melhor candidato, na prática quanto maior o número de inscritos, mais difícil é selecionar o melhor qualificado. Para resolver esse conflito a banca examinadora acaba por aumentar a dificuldade da prova.

Agora uma pergunta simples: existem mais pessoas com nível médio ou com nível superior no Brasil?

Claro que mais pessoas irão se inscrever nos cargos de nível médio (incluído quem tem faculdade).
Por conta disso já fiz provas que exigiam o Ensino Médio (antigo 2.º grau) onde a resposta de uma questão passava por uma Progressão Geométrica e terminava em uma equação de Terceiro Grau (não, não me confundi com equação de segundo grau), ou seja, coisa de vestibular da USP.

       Após conseguir o título de psicólogo fiquei em primeiro lugar em três concursos e isso nunca havia acontecido quando disputava por empregos de segundo grau.


QUER APRENDER COMO ESTUDAR, OTIMIZANDO E VALIDANDO EFICAZMENTE TODAS AS HORAS E DIAS DEDICADOS AOS ESTUDOS DE MANEIRA QUE POSSA COLHER RESULTADOS NUNCA ANTES CONSEGUIDOS. GUIA PRÁTICO PARA PASSAR EM CONCURSO PÚBLICO EM 1 ANO


Mito 3: concursos com mais vagas são mais fáceis de passar
       É necessário que você entenda que não importa a quantidade de vagas e sim com quantas pessoas você está disputando e o quanto elas são qualificadas.

Desse modo um concurso que só tem 1 vaga, porém apenas 1 candidato é mais fácil do que um concurso com 10 vagas e 20 pessoas disputando por elas. Para ser mais claro, no primeiro caso o candidato tem praticamente 100% de chances de entrar, enquanto no segundo caso cada um terá no máximo 50%.

Outro ponto que é necessário ressaltar é que um cargo com muitas vagas tende a atrair um grande número de interessados, e quanto maior o número de concorrentes, mais alta é a possibilidade de estar entre eles pessoas muito qualificadas (gente que estuda muito, com muitos diplomas e que costuma pontuar mais). Isso aumenta a chamada curva de pontuação dos concursos.


Mito 4: Prova fácil é sinônimo de conseguir entrar
A prova é apenas uma das etapas do concurso, não é a primeira e nem de longe é a última. Não é por que você conseguiu uma pontuação alta que já conquistou o emprego e não é por que tirou uma nota baixa que já foi reprovado.

Se uma prova for muito fácil a maioria dos candidatos irá fazer muitos pontos e a curva de aprovação vai ser bem alta.

Para dar um exemplo lembro de um concurso da CPTM onde os impressionantes 96 pontos (de 100) me garantiram a humilde posição 406°, isso por que os outros candidatos ou acertaram mais de 97 ou eram mais velhos do que eu e venciam no desempate.

Outro exemplo é o da minha esposa (dona desse blog) que fez 33 pontos em uma prova de concurso (sendo que 30 era o mínimo para ser classificada) e só não ficou em primeiro lugar por ser mais nova que outras 9 concorrentes ficando assim em 10ª posição e conquistando o cargo.

Com isso quero demonstrar que uma prova fácil não sinônimo de concurso fácil de entrar.

Quais são os concursos realmente mais fáceis de passar?

Vou colocar a minha cara a tapa e evitar clichês do tipo “Concurso fácil é o que você estuda, está motivado, etc...”. Por outro lado, quando eu digo: “mais fáceis” não estou afirmando que são molezas de passar. Porém, em um período em que concursos estão cada vez mais concorridos, estes são os menos difíceis.


Cargos que exigem esforço físico e trabalho braçal
Em geral quem deseja um cargo público imagina um serviço fácil no qual possa se ganhar sem precisar trabalhar de verdade, de preferência sem sair de trás de uma mesa (ledo engano). 

Por isso cargos como agente administrativo, auxiliar administrativos e similares costumam ser os mais concorridos. Já cargos como Apoio Operacional, Auxiliar de Desenvolvimento Infantil (ADI), Trabalhador Braçal e outros onde é sabido que se trabalha muito e pesado são menos concorridos.


Cargos com salários baixos
Quem presta concurso em sua maioria deseja um salário alto ou pelo menos razoável. Os cargos com ganhos próximos a três salários mínimos ou mais são muito disputados, ainda que o trabalho seja sabidamente difícil.

Já os cargos com ganhos de até dois salários mínimos costumam ser disputados por poucos candidatos e em sua maioria os menos preparados.


Cargos que exigem uma profissão
Encanadores, eletricistas, pedreiros... esses profissionais realizam atividades muito importantes para o serviço público e por vezes chegam a ganhar tão bem quanto quem possuem um diploma universitário. Ainda assim, poucos deles se interessam por concursos fazendo com que em muitas disputas públicas existam mais cargos do que candidatos.


Cargos com exigência de formação específica
Existem cargos públicos em que um conhecimento extremamente específico ou uma formação mais aprofundada é requerida, por exemplo, uma pós-graduação, um título ou uma licença em particular. Como pessoas que cumprem esses requisitos são poucas, essa disputa passa a ser menos concorrida.

Já vi concursos para psicólogos com registro na Polícia Federal (esse profissional é habilitado para liberar posse e porte de arma de fogo) onde havia somente um candidato, em outras palavras o cargo já era dele no ato da inscrição.


Cargos com prova de aptidão física
       Existem cargos que exigem que o candidato esteja em ótimas condições físicas e considerando que isso é algo raro entre os brasileiros, vários concurseiros que costumam pontuar alto evitam estas disputas tornando estes concursos menos concorridos e consequentemente mais fáceis.


Concluindo...

       Se está tendo dificuldades em entrar em um cargo público, a solução pode estar em baixar as expectativas ou investir no seu perfil profissional. Ainda assim é necessário que você mantenha o ritmo de estudo e continue se esforçando para entrar. 


QUER CONHECER A FORMA MAIS FÁCIL, DIDÁTICA E COMPROVADA EXISTENTE NO BRASIL DE ESTUDAR PARA CONCURSOS PÚBLICOS? VEJA: GUIA PRÁTICO PARA PASSAR EM CONCURSO PÚBLICO

Postar um comentário

Blogger